Canguilhem e a Saúde, conversa com Adriana Belmonte


Adriana Belmonte, a partir da exposição das ideias centrais de seu livro Clínica e resistência: contribuições da racionalidade vitalista de Canguilhem ao campo da saúde, faz uma reflexão sobre as noções de vida, saúde, normalidade e as relações entre técnica e ciência no âmbito das terapêuticas, de modo a abrir também um debate sobre questões contemporâneas no âmbito da saúde individual e coletiva.


Palestrante

Adriana Belmonte é professora adjunta III do Curso de Terapia Ocupacional do Setor de Ciências da Saúde da Universidade Federal do Paraná – UFPR (desde 2010). Graduada em terapia ocupacional pela Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo – FM/USP (1996) e em filosofia pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade de São Paulo FFLCH/USP (2002). Mestre (2007) e Doutora (2013) em filosofia pela FFLCH/USP. Integra a Associação Filosófica Scientiae Studia, o Grupo de Estudos de Filosofia, História e Sociologia da Ciência e da Tecnologia do Instituto de Estudos Avançados – IEA/USP (desde 2009) e o Grupo de Pesquisa em Terapia Ocupacional – UFPR/CNPq (desde 2010). Desenvolve atividades docentes nas áreas de História e Fundamentos epistemológicos, teórico-metodológicos, bioéticos e ético-políticos da Terapia Ocupacional; Raciocínio profissional em Terapia Ocupacional e Políticas públicas de Saúde, Educação e Assistência Social e Sistema de Garantia de Direitos. No campo da Filosofia, realiza estudos em nível de Pós-doutorado em Fundamentos e Epistemologias da Saúde e do Cotidiano – FFLCH/USP (2020-2021). Autora do livro Clínica e Resistência: contribuições da racionalidade vitalista de Canguilhem ao campo da saúde (2019).

Data e horário

07 de abril, quarta-feira, às 14h

Cana de Transmissão

Promoção

Associação Filosófica Scientiae Studia